Dia internacional contra a discriminação racial

Dia internacional contra a discriminação racial

A data foi criada em 1996 pela ONU e tem o objetivo de homenagear os negros que morreram lutando por seus direitos em Joanesburgo. Eles estavam em um protesto pacífico nas ruas da África do Sul contra a lei do passe, que limitava os lugares onde os negros poderiam circular.

Em represália as tropas do exército atiraram contra os manifestantes deixando 69 mortos e 186 feridos a ONU instituiu esse dia como o dia internacional pela eliminação da discriminação racial.

De acordo com o Estatuto da igualdade racial, discriminação social pode ser definida como: “toda distinção, exclusão, restrição ou preferência baseada em raça, cor, descendência ou origem nacional ou étnica que tenha por objeto anular ou restringir o reconhecimento, o gozo ou exercício, em igualdade de condições, de direitos humanos e liberdades fundamentais nos campos político, econômico, social, cultural ou em qualquer outro campo da vida pública ou privada”.

O estatuto da igualdade racial foi instituído em 20 de julho de 2010 através da lei Nº 12.288 e que é destinada a: “garantir à população negra a efetivação da igualdade de oportunidades, a defesa dos direitos étnicos individuais, coletivos e difusos e o combate à discriminação e às demais formas de intolerância étnica.” 

Mesmo tendo um estatuto que visa a igualdade, ainda vivemos em uma sociedade racista. 

Impactos da discriminação racial na saúde mental

O racismo é um sistema de opressão que nega direitos e portanto atravessa a vida da pessoa em diversos aspectos gerando traumas e outras questões.

A falta de representatividade, os padrões impostos pela sociedade, através de uma perspectiva branca, a falta de oportunidade, a dificuldade ao acesso à saúde, educação e trabalho, impactam na autoestima, na forma em que o indivíduo vê o mundo e se vê nele.

A psicologia atua na prevenção e diminuição dos danos causados pela discriminação. Se você perceber que precisa de ajuda, não hesite em procurar um profissional. 

O que podemos fazer para mudar essa realidade?

Além de não reproduzir o racismo é necessário ter ações antirracistas para que esse mal não se perpetue. A primeira ação a ser feita é se informar sobre o assunto e a melhor forma de fazer isso é lendo. Por isso deixo aqui algumas leituras importantes:

  • Racismo recreativo

O Advogado e doutor em direito Adilson Moreira analisa a relação entre racismo e humor, a justiça brasileira e os conceitos de racismo e injuria racial.

  • Racismo estrutural

O advogado, filósofo e professor universitário Silvio Almeida apresenta dados estatísticos e discute como o racismo está na estrutura social, política e econômica da sociedade brasileira.

  • Pequeno manual antirracista

A filósofa e ativista Djamila Ribeiro traz nesse livro reflexões, argumentos e proposições para a prática antirracista e o entendimento da sua urgência e necessidade.

  • Tornar-se negro

Esse livro é oriundo da tese de da psiquiatra e psicanalista Neusa Santos Souza. Nele são discutidos e analisados os impactos do racismo na saúde mental das pessoas negras através da história de vida de dez personagens.

Além da leitura, há algumas ações antirracistas que fazem a diferença:

  • Preste atenção nas suas atitudes, falas e pensamentos. As piadas, as desconfianças, os medos que surgem apenas pela cor da pele são um indicador que o racismo estrutural se faz presente, mesmo que contra a sua vontade.
  • Eduque as crianças a lidar com as diferenças, ensine que as pessoas são únicas e que a beleza está nisso. Mostre referências parecidas com ela, representatividade faz toda a diferença.

E o mais importante: Não se cale diante de situações racistas. Seu silêncio te torna responsável pela manutenção do racismo. Que é considerado crime inafiançável e imprescritível no Brasil. O crime de racismo é previsto pela Lei nº. 7.716/1989.

O racismo é um problema solucionável e para isso é necessário que ele seja tratado como um problema de todos. A efetivação das leis, a consciência e o trabalho da sociedade são a chave para a resolução desse problema social que gera tantos males.

Texto por: Thais Costa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Iniciar conversa
Entre em contato com o CAAESM